Sumidouro das almas

img-20190117-wa0001

Um destino traçado à bala. Ainda menino, Faustino se vê frente a frente com a crueldade quando seu pai é assassinado a mando de um grileiro da região onde moram. A cena de violência e o sentimento de perda vão acompanhá-lo por toda a vida, incitando-lhe o desejo de vingança. No garimpo, de posse de uma bela pedra, ele pensa ter encontrado um meio de recuperar as terras arrebatadas de sua família. Contudo, a cobiça impõe-lhe uma nova perda e o obriga a tomar um perigoso caminho. Faustino, corruptela de Fausto, alude ao antigo mito alemão, cujo protagonista vende a alma ao diabo em troca de benesses na vida terrena. O tema do pacto é mais comum do que se pensa.

A obra explora as mazelas do sertão, expondo com maestria as penúrias psicológica e social do norte de Minas Gerais, em meados do século XX. As descrições realistas da atmosfera regional remetem à densidade literária de autores como Érico Veríssimo, Guimarães Rosa e Graciliano Ramos, influências confessas de Jorge Fernando dos Santos.   A riqueza da obra se completa com as referências aos filmes de faroeste, ao Cinema Novo, a Dom Quixote de la Mancha e à literatura de cordel,  poesia popular nordestina impressa em folhetos rústicos que geralmente narram grandes pelejas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s